Ascensor do Lavra celebra 128 aniversário

Enviar este conteúdo

Os seus dados:
 
Destinatário(s):
Caso pretenda, junte também uma mensagem:
19.04.2012 | Institucional

A CARRIS assinala, dia 19 de Abril, o 128.º aniversário da inauguração do Ascensor do Lavra.
Com efeito, este ascensor, que estabelece ligação entre o Largo da Anunciada e a Travessa do Forno do Torel, foi o primeiro ascensor de Lisboa, inaugurado no dia 19 de Abril de 1884.
Assinalando 128 anos de existência, o Ascensor do Lavra detém o privilégio de ser o primeiro transporte coletivo que Lisboa possuiu defrontando com êxito uma das suas encostas mais íngremes e encontra-se, desde 2002, classificado como Monumento Nacional.

História deste ascensor:
Construído pela Companhia dos Ascensores Mecânicos de Lisboa, utilizava o contrapeso de água como forma de tração. Este sistema consistia, fundamentalmente, em dois carros interligados por um cabo subterrâneo, que subiam e desciam, alternada e simultaneamente, em 2 vias paralelas assentes ao nível do chão. Na parte externa das linhas, existiam duas cremalheiras nas quais entravam os dentes de rodas, dentadas, fixadas nos eixos dos carros cujo movimento era determinado pelo peso da água que, na Estação Superior, era adicionada ao carro descendente e despejada quando este se encontrava no Largo da Anunciada. Cada carro estava equipado com um travão manual e um automotor que funcionava de imediato caso se desse a fratura do cabo.
Tendo utilizado mais tarde o vapor como força motriz, o Ascensor do Lavra foi eletrificado em 1915. Os trabalhos então efetuados trouxeram consigo profundas mudanças. A via passou a apresentar apenas os carris em que assentam os rodados dos carros e a fenda que alberga o cabo que os une, tendo a cremalheira desaparecido. Os carros passaram a funcionar por meio de motores elétricos, instalados a bordo e ligados em série, de modo que, sendo necessária a manobra conjunta dos seus tripulantes para os pôr em movimento, bastava a intervenção de apenas um para os imobilizar. As carroçarias, em madeira, eram cor de mogno. O amarelo, como cor distintiva, só terá surgido quando o ascensor se tornou propriedade da CARRIS, em 1926, por dissolução da sua primitiva proprietária.